sábado, 21 de junho de 2014

68 - Orquídea: Catasetum Barbatum/ flor feminina

“Grosso modo, o Catasetum barbatum é uma epífita com folhas de nervuras salientes e pseudobulbos oblongos. A inflorescência sai da base dos pseudobulbos”; 
Distribuição Geográfica: AM, AP, PA, TO, RO; 
Habitat: "mata de terra firme, aberta e úmida; igapó"; 
Floração: "entre agosto e setembro. As flores aromáticas medem 6 cm e duram 7 dias"; 
Status Ecológico: "sem risco de extinção[1]".

Observação endógena: adquiri esta orquídea em outubro de 2011, tratava-se de apenas 2 bulbos bem pequenos; o desenvolvimento se deu de forma muito lenta e eu julguei perdê-la, em algumas épocas dos anos que seguiam. Porém, cerca de 3 anos depois, em abril deste ano, ela resolveu florescer. A princípio, em duas hastes, mas no decorrer do desenvolvimento uma delas secou; a que continuou se desenvolvendo, formou 20 flores de cores predominantemente verdes (a fragrância é agradável). O término das flores deu-se no início de junho. O nome barbatum vem do latim barbata-um e significa com barba. Confesso que queria muito ver as flores masculinas deste barbatum, que são mais características, mais vistosas, mais elegantes... Porém, sei que o clima de nossa região tende a produzir tanto as flores femininas, quanto as masculinas, em nossos catasetums; é uma questão de tempo para podermos ver as flores masculinas!
 
 
 
 

[1] Disponível em: Revista: Orquídeas na Amazônia. Ano 1, n.º 1; por Francisco Joaci de Freitas Luz, p. 14.

domingo, 15 de junho de 2014

Denphal Ekapol - flores 2014

Havia colocado uma postagem sobre a ekapol em 2012; de lá para cá ela floresceu em pelo menos 3 vezes. Nesta última florada, ela revelou uma característica que eu não conhecia: a emissão de haste floral em bulbos antigos, que já haviam florido antes.
Na primeira floração deste ano (entre fevereiro e início de maio), foram 12 flores. Mas ela não parou, está com nova haste floral desde maio desde ano.
Um botão anuncia-se "como uma serpente se abre para engolir a presa"!
 
 

terça-feira, 10 de junho de 2014

135 - Orquídea: Cattleya Guttata


“A Cattleya guttata tem hábito tanto epífita como rupícola, ou seja, pode ser encontrada vegetando sobre árvores, pedras ou mesmo sobre a areia de restingas, nos estados do RJ, ES e BA”.
“Quando encontrada na forma epífita, vegeta em árvores mais altas e que permitam a entrada de maior luminosidade (...). Em sua forma rupícola, é encontrada muitas vezes vegetando em meio às restingas, praias ou mesmo em pedreiras beira mar (...)”.

PLANTA:

“De grande porte, com pseudobulbos eretos, cilíndricos e sulcados, podendo chegar facilmente a 1 metro de altura e em alguns casos ultrapassar essa medida. Estes pseudobulbos são encimados por 2 ou 3 folhas oblongas, coriáceas e rígidas, de colorido verde-escuro até o verde-cinzento”.

FLOR:

“Normalmente florescem entre os meses de janeiro e abril, mas é no meio do mês de março que atingem o auge de sua floração. As flores saem de espatas simples, secas ou não, em hastes de mais ou menos 20 cm de altura, podendo portar mais de 20 flores em florações mais vigorosas. Flores com muita substância, medindo mais ou menos 8 cm de diâmetro, labelo trilobado, com lóbulos laterais recobrindo a coluna e lóbulo medial em forma de istmo, pequeno e estreito. As flores desta espécie têm duração média de 20 dias e perfume bem suave e característico da espécie”.

VARIEDADES MAIS COMUNS: Alba, albescens, aurea, coerulea, semi-alba, tigrina e típica.

CULTIVO:

“Como toda Cattleya bifoliada a Cattleya guttata necessita de grande umidade relativa, boa ventilação e grande quantidade de luminosidade para seu perfeito desenvolvimento. O cultivo em xaxim desfibrado ou cubos de xaxim colocados em vasos de cerâmica ou cestinhos de madeira se mostra bem eficiente no cultivo dessa espécie (...)[i]”.

OBSERVAÇÃO ENDÓGENA: 
Esta Cattleya Guttata passou a ocupar lugar especial em “minha coleção”, após revelar a beleza de suas flores. Adquiri-a de um orquidófilo de Palmas/TO, em março de 2013. Pouco mais de 1 ano após, em maio de 2014, ela iniciou esta inacreditável floração, com 2 belas flores. A beleza das suas flores se revela no capricho dos detalhes, das cores, dos pigmentos e de um perfume incomum (para mim, até então).
 
 
 
 



[i] Disponível em: <http://www.orquideasterra.com.br/?especies9> Acesso em mar. de 2013.

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Laelia jongheana - flores 2014

Quando na aquisição, eu recebi uma muda de Laelia jongheana que deu para dividir em duas. Uma das partes tão logo floriu, a outra parte - aos poucos - definhou até secar.
Elas chegaram por volta de meados de 2013, advindas de Santa Catarina; a flor surgiu entre julho e setembro do mesmo ano (apenas 1).
Em 2014 ela floriu também em apenas 1 flor (fotos abaixo), porém exatamente no início do ano, entre fevereiro e março.
Nestas duas floradas percebi uma característica que não tenho visto em outras, de minhas orquídeas, qual seja: em alguns casos a jongheana produz um bulbo que servirá apenas para o desenvolvimento de flor, tão logo ela acabe, cessa o desenvolvimento.
 
 
 
 
Por esta foto, da flor já seca, observamos aquela questão do bulbo com função de florir; veja que ele seca junto com a flor e a haste, ao passo que do lado direito há outro bulbo, formando-se de outra forma: emitindo folha, não haste.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...