domingo, 19 de janeiro de 2014

89 - Orquídea: Cyrtopodium Polyphyllum


“Do grego kyrtós: curvado + pódion: dimin. De pús, podós: , pezinho curvado. Alusão à base da coluna curvada para cima (...); prolongamento basal da coluna, formando um pequeno arco que se estende (...). Varia em relação ao tamanho de seus pseudobulbos, apresentando-se: fusiformes, cilindrico-fusiformes, cônico-fusiformes, cônico-oblongos, cônico-ovóides, ovóides ou arredondados (...)”. 
“A maioria das espécies do gênero Cyrtopodium foi atribuído a um nome de família para homenageá-la, ao lugar onde o mesmo foi encontrado ou ao aspecto da planta. São exemplos: C. andersonii (Anderson), bradei (Brade), Sarneyanum (Sarney), cipoense (Serra do Cipó/MG), cachimboense (Serra do Cachimbo/PA.), roraimense (Roraima) ou triste (flores voltadas para baixo em dias ensolarados), pallidum (pelo labelo róseo pálido) e gigas (pelo porte gigantesco da planta)”. 
“Este gênero tem grandes pseudobulbos claviformes, medindo alguns centímetros a mais de um metro, com numerosas folhas pregueadas e brácteas coloridas. As folhas são herbáceas, bilateralmente alternadas com nervuras longitudinais prominentes, plicadas, com pseudopecíolo conectado na base da bainha que envolve o pseudobulbo. A inflorescência é basal, ereta, rígida, simples ou ramificada, normalmente mais alta que as folhas”.
“As flores podem ser vistosas ou pouco ornamentais, pediceladas e de textura relativamente carnosa, com brácteas lineares ou lanceoladas, muitas vezes de colorido vistoso ou pintalgadas. Em relação à flor, possui labelo trilobado com lobos laterais voltados para cima e algumas vezes encobrindo parte da coluna; o lobo mediano quase sempre apresenta um disco caloso. As políneas são em número de duas, globosas e ceróides[1]”.    

Quanto ao “Cyrtopodium polyphyllum é uma espécie terrestre/rupícola com habitat de populações que se distribuem ao longo de quase todo litoral brasileiro, mas podendo também ser encontrado na Amazônia brasileira. Apesar de seu hábito predominantemente terrestre nas areias, a espécie pode também apresentar hábito rupícola nas encostas litorâneas de baixa altitude e mesmo distante do litoral. Possui pseudobulbos fusiformes, acentuadamente alongado de 20 a 100 cm de altura inflorescência paniculada de 60 até mais de 100 cm de altura; suas flores variam consideravelmente de tamanho, 2,5 a 3,3 cm de diâmetro sendo que nas populações do sul do Brasil é aonde se encontram as menores flores; exibem colorido amarelo claro com nuances esverdeadas, mas com o labelo amarelo vivo; o calo é formado por diminutas granulações (calosidade granular) tingidas de vermelho-alaranjado[2].

Observação endógena: desde algum tempo comecei a vislumbrar a possibilidade de ter um Cyrtopodium. Encanta-me neles a generosidade das flores e a robustez dos seus pseudobulbos (da planta como um todo). Quando ele chegou até mim, em outubro de 2012, eu achai de se tratava de 'Catasetum macrocapum agigantado'. De onde veio estava se desenvolvendo sobre o solo. Resolvi colocá-lo numa situação de planta epífita e misturei substrato com outros detritos, colocando-o num vaso relativamente amplo. A renovação de pseudobulbos foi rápida e eficaz e em outubro de 2013 ele iniciou a primeira floração (talvez a primeira da sua vida, pois não constava nenhum sinal de florações anteriores).

Foram mais de 2 meses entre o aparecimento das robustas hastes e a eclosão das primeiras flores. A haste de maior comprimento atingiu mais de 50 cm e a quantidade de cerca de 156 flores. A plenitude das flores durou cerca de 30 dias, mas secaram antes do fim do ano; atualmente já possui uma diversidade de bulbos recentes, quase adultos.


 
 
 
 
 

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...