Pesquisar este blog

Carregando...

terça-feira, 24 de maio de 2016

Blc. Crowfield 'Mendenhall' - flores 2016

No ano passado em também publiquei sobre o referido híbrido (lindo híbrido) e este ano, quase sem novidade, exceto o fato simples de que, "cada flor é uma flor", porém, em mesma quantidade. A beleza, contudo, pode ser observada a todo momento e neste ano, a florada ocorreu em janeiro.

terça-feira, 17 de maio de 2016

Bromélia: Cryptanthus zonatus 'zebrinus'

Hoje trago mais uma bromélia sem identificação... Tenho visto que se usa a expressão (sp.) quando se trata de espécie desconhecida, dentro daquele gênero (a abreviatura "sp." é usada quando o nome da espécie não pode ou não interessa ser explicitado). Neste caso, nem consegui identificar o gênero, nem a espécie.
Esta bromélia, assim como tantas outras abriu mão de flores elegantes e caprichou, em contraste, na beleza das folhas, ela atrai (seja o que for) muito por causa da sofisticação e singularidade das suas folhas.
Solicito (quem souber) me indicar uma fonte que eu possa encontrar informações sobre esta bromélia em destaque.

Após a participação de Simone Felic, do blog "Eu e Minhas Plantinhas" eu corri atrás dos links e vi que se trata de uma bromélia do gênero Cryptanthus... E que, este Cryptanthus possui folhas quase pretas com faixas transversais irregulares brancas. As flores saem da rosete central e duram algumas semanas. Novas plantas saem das axilas das folhas e dão continuidade a espécie.  Trata-se de uma bromélia terrestre de fácil cultivo e precisa de solo bem drenado, alta umidade média e deve ficar protegida do sol direto.

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Perguntas Frequentes - Bloco 2

Em outubro de 2012 eu fiz a primeira postagem, na qual tentava responder perguntas deixadas pelos visitantes através da ferramenta "origens de tráfego - pesquisar palavras-chave" do Blogger. Na ocasião publiquei o "Perguntas Frequentes - Bloco 1" e respondia sobre: obtenção de mudas de orquídeascuidados básicos com as orquídeascomo fazer uma cattleya floriras orquídeas que mais florescem por anorega de orquídeascomo identificar uma bromélia? e onde comprar Spathoglottis?

As perguntas desta nova etapa, seguem abaixo:

1 - Como estimular o enraizamento de orquídeas?
É comum notar que a maioria dos orquidófilos usa produtos industrializados (adubos específicos para enraizamento), bem como a "UTI para orquídeas". Para ler informações mais detalhadas, indico o Blog Orquididofilia & Orquidologia, bem como o Blog da Bete Orquídeas, pois ambos tratam sobre este assunto, com muita qualidade.

2 - Como fazer um orquidário?
Esta é uma pergunta não muito fácil de responder, pois, a edificação de um orquidário é sempre uma questão pessoal e dependente de diversos fatores, sendo os principais: posição geográfica e o espaço disponível. O que pode-se afirmar é que a função principal de um orquidário é proteger suas orquídeas, seja de ameaças naturais (as intempéries, como o sol direto, a chuva forte e o vento avassalador, principalmente) seja para protegê-las de animais, como gatos, cães e aves, que por ventura poderão vir a causar danos em orquídeas que estejam expostas a toda e qualquer sorte...
Mas, outra coisa importante que deve se atentar, além dessas pinceladas anteriormente, é que a cobertura e as laterais devem ser preparadas com telas sombrites ou com ripados (condicionados a outros fatores) a fim de impedirem a passagem direta da luz solar, bem como "quebrar" um pouco a corrente de ventilação (quando se tratar de uma região propícia a isto).
A seguir, deixo dois links (trata-se de duas fases do meu orquidário: AQUI e ALI).

3 - Quais são as "principais" orquídeas consideradas raras? E por que?
Diferentes fatores podem tornar uma orquídea rara, o principal deles deve ser o fato de ela ser difícil de se obter (seja por causa da sua escassez [risco de extinção, no caso das espécies], ou por outras questões que a tornem caríssima como: dificuldades encontradas na reprodução etc.). Abaixo, listamos 07 orquídeas "consideradas" raras (dentre tantas outras):
Ophrys apifera;
Habenaria radiata;
Peristeria elata;
Caleana major;
Orquídea Dourada de Kinabalu;
Orquídea Shenzhen Nongke;
Cattleya walkeriana 'feiticeira'. 
“Diante de uma variedade imensa de plantas as orquídeas raras são aquelas que não são encontradas facilmente no comércio, são espécies que não são muito apreciadas pelo seu valor estético pelo público em geral, apenas pelos colecionadores de orquídeas que sabem valorizar os pequenos detalhes dessas espécies1”. 
  • Ophrys apifera, por exemplo é “uma espécie de orquídea rara que é encontrada na Europa e que tem um aspecto intrigante, de perto da à impressão de ser um pequeno boneco sorrindo com os braços abertos”. “É uma planta bastante comum na área mediterrânica a leste do Mar Negro e nativa de Portugal, onde, como todas as orquídeas naturais, tem o estatuto de espécie protegida. É uma orquídea vigorosa, que cresce até aos 30 cm. Vive em simbiose com micorriza (um fungo presente na terra). No outono, [ela] desenvolve pequenas rosetas de folhas que continuam a crescer lentamente durante o inverno. As flores aparecem no ano seguinte2”. 
  • Habenaria radiata é uma orquídea que parece uma garça típica da China, Coreia do Norte, Coreia do Sul e Rússia”. 
  • A pequena Peristeria elata, é uma orquídea rara que lembra um pombo, chamada de 'Orquídea do Espírito Santo' [pelos nativos] encontrada na América Central”. É uma das orquídeas/flores representativas do Panamá. 
  • E a Caleana major é uma espécie de orquídea que lembra um pato que é típica da Austrália”. 
  • “A Orquídea Dourada de Kinabalu é uma espécie de orquídea em vias de extinção que só pode ser encontrada numa pequena área cercada do Parque Nacional de Kinabalu, na ilha de Bornéu, na Malásia. Esta flor é extremamente rara e é por isso que custa aproximadamente 3.620 euros. (…). Está próspera em locais úmidos ou com muita água e floresce na estação da primavera (…)3”.
  • Já “a Orquídea Shenzhen Nongke é uma flor que foi produzida pelo grupo chinês Shenzhen Nongke e surgiu como fruto de 8 anos de pesquisas e de investigações na área das ciências agrícolas. No ano de 2005, esta flor foi vendida num leilão a um comprador anônimo [pelo valor de] 193.150 euros4”.
  • A brasileiríssima "Cattleya walkeriana 'feiticeira', conhecida pela sua beleza e dificuldade de reprodução pode ser considerada uma orquídea rara. Essa espécie tem características marcantes como sua simetria perfeita, em forma de gota, e o fato de que, até os dias de hoje, ainda não foi encontrada uma maneira de reproduzi-las em série. (...) a Cattleya walkeriana produz sementes estéreis, inviabilizando uma das formas de reprodução5”.
Ophrys apifera. Disponível em: commons.wikimedia.org
Habenaria radiata. Disponível em: www.flickr.com
Peristeria elata. Copiado de: www.solaguild.com
Caleana major. Copiada de: www.curtoecurioso.com
Orquídea Dourada de Kinabalu. Imagem copiada de: www.pinterest.com
Orquídea Shenzhen Nongke. Imagem copiada de: www.informaglobal.com.br

Cattleya walkeriana 'feiticeira'. Copiada de: produto.mercadolivre.com.br

4 - Qual a época mais comum para a floração da orquídea Denphal?
É certo que a orquídea Denphal (como outros gêneros) irá florir a depender da região em que está sendo cultivada. É certo também, que este gênero prefere florir no inverno, por causa da abundância de água e de umidade, mas isto não é uma regra. Aqui em minha região, os Denphal alba e ekapol costumam florescer entre fevereiro e outubro. Também, diferentemente de outras orquídeas, o Denphal não segue uma regra (um momento) exato para florir, repetindo-o anualmente.
Denphal alba.
Denphal ekapol.
5 - Como acabar com as formigas, nas orquídeas?
A melhor forma de acabar com as formigas, no orquidário (e nas orquídeas) é se usar de algum produto (natural ou sintético) que desempenhe uma função de repelente (a depender do tipo de formiga que frequenta a suas orquídeas, pode-se inferir diversos questionamentos), o principal deles é, provavelmente, que haja alguma infestação de pulgões ou cochonilas, os quais produzem certa substância que atraem determinadas formigas. Tem se usado e com sucesso, produtos derivados da árvore de nome Neem.

6 - Quanto coletar as sementes da Encyclia oncidioides?
Não somente as sementes de encyclia, mas a regra vale para todas as cápsulas de orquídeas. Elas devem ser coletadas antes que se rompam (naturalmente) para liberar as minúsculas sementes. É possível observar "este momento" porque elas se tornam um pouco amareladas (maduras) quando estão quase prontas para se romper. Abaixo eu mostro fotos de três estágios de uma cápsula de sementes de Cattleya labiata: verde (jovem); madura (pronta para o uso na reprodução) e já rompida (a cargo da natureza):
_________________
1Disponível em: http://www.arquidicas.com.br/orquideas/ Acesso em abr. de 2016.
2 Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Ophrys_apifera Acesso em abr. de 2016.
3 Disponível em: http://omeujardim.com/artigos/5-flores-mais-caras-mundo Acesso em abr. de 2016.
4 Copiado de: http://omeujardim.com/artigos/5-flores-mais-caras-mundo Acesso em abr. de 2016.
5 Disponível em: http://www.orquideasraras.com/ Acesso em abr. de 2016.

quarta-feira, 4 de maio de 2016

Meu Orquidário (mais uma etapa)

Antes de mais nada, gostaria de dizer que você pode ver este meu orquidário, numa etapa ainda mais antiga (através de uma postagem que foi feita em 2012, AQUI)...
Bem, no atual momento o que eu fiz foi o seguinte: apenas tirei as orquídeas de uma posição sobre (na qual elas ficavam "encimadas" em caibros, sustentados por pequenas colunas) para a posição "dependuradas", através de hastes fixas e próprias, utilizando-se da estrutura aérea do Orquidário. A principal função desta nova configuração não é estética (mesmo que eu tenha achado mais elegante), mas sim, ela visa preferencialmente evitar a subida de insetos, como cupins (por exemplo) até os vasos, evitando que construam ninhos e destruam o substrato. Se isto será eficaz, só o tempo dirá, mas estarei atento para esta questão.
Por outro lado, ainda reside um problema complexo, a falta de espaço é cada vez mais crítica; o que fazer? Ainda é um mistério!
As fotos abaixo, apesar de não estarem impecáveis, vão tentar retratar esta realidade nova...
  • Antes...
  • Transição...
  • Atualmente...

sexta-feira, 29 de abril de 2016

4 - Bicharada no Orquidário

Esta é a quarta postagem sobre os bichinhos encontrados no Orquidário; desde a primeira, que foi efetuada em 2014, muitos bichinhos foram devidamente clicados...
Desta vez temos: abelha e mosca, louva-a-deus; besouro, aranha, formiga, e mosquito.
As postagens anteriores sobre os bichinhos que aparecem no Orquidário, podem ser acessadas direto pelos links: UM; DOIS e TRÊS.
Aqui vemos uma espécie de Louva-a-deus camuflando-se numa Tillandsia.
Este 'besourinho' estava no labelo da Blc. waikiki gold 'Lea'.
Uma espécie de aranha prepara o ninho, próximo a formação de flores da Acianthera pectinata.
E dias depois, olha só a quantidade de filhotinhos de aranha (ao tempo que as flores da orquídea já estavam abertas).
Esta formiga estava a passear no botão da Cattleya nobilior,
Um mosquito de pernas grandes.
Mosca e abelha ("miguelão") nos botões da Cattleya tigrina var. leopoldii.

terça-feira, 19 de abril de 2016

Denphal ekapol: um continuum de flores...

Esta é a terceira postagem que fazemos sobre a orquídea epífita Denphal ekapol, tendo sido a última, sobre a sua floração, em 2014. De lá para cá ficou bem difícil delimitar início e fim de suas floradas, porque há um continuum de flores, onde bulbos antigos e novos se revesam; para se ter uma ideia, de dezembro de 2014 até o momento, são 6 bulbos em floração e mais de 80 flores. Mas não é só quantidade, as flores deste Denphal são relativamente grandes e elegantes, como se pode ver nas fotos...

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Bromélia: Tillandsia sem Id.

Esta é mais uma das várias Tillandsias que possuo, mas ao inverso da maioria delas, não consegui encontrar algo confiável que pudesse subsidiar a certeza do seu nome, o que dá pra adiantar com exatidão é que se trata de uma Tillandsia do grupo das bromeliáceas que crescem preferencialmente sobre árvores (epífitas); que habitam áreas sub-úmidas ou sub-áridas, sob a incidência direta de sol, apreciando a copa das árvores. O tom acinzentado dos talos e folhas deve-se a uma cobertura em forma de escamas (tricomas), ou seja, pêlos complexos.
Isto para dizer que: quem souber o nome correto desta Tillandsia, por favor, expressar-se por aqui; desde já, agradecemos...