Pesquisar este blog

Carregando...

terça-feira, 24 de março de 2015

143 - Orquídea: Cattleya Bicolor Brasiliensis



Sinonímia:Epidendrum bicolor, Cattleya measuresiana, Epidendrum iridae, Cattleya dupontii”.
Origem: “São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Goiás e Espírito Santo”.
Habitat: “Mata Atlântica e matas ciliares nos cerrados; epífita ou rupícola, dependendo do habitat. Atinge a fase adulta em 2 ou 3 anos. Quando adulta, muitas vezes torna-se planta alta, podendo em alguns casos chegar a quase 1 m de altura”.
Clima: “subtropical. É planta de fácil cultivo e crescimento relativamente rápido, quando cultivada em ambiente com umidade atmosférica alta e boa iluminação (...)”.
Luminosidade: “média, em torno de 50% de luz solar incidente”.
Inflorescência: “mediana na altura, com cacho composto de muitas flores nas plantas vigorosas”.
Tamanho das flores: “flores médias dentro do gênero Cattleya, por volta de 10 cm de diâmetro”.
Época de floração: “verão”.
Odor: “suave”.
Duração das flores: “flores duráveis, 20 a 30 dias”.
Observação: “Essa espécie possui muitas variações de cor, com pétalas variando desde verdes até marrom avermelhado intenso, maculadas ou não com pintas atropurpúreas. Labelo também variável, entre tons de rosa até ametista forte[i]”.

Observação endógena: esta bela Cattleya foi adquirida de Santa Catarina. Desde a sua chegada (em 2013) ela vem se desenvolvendo, especialmente no que diz respeito a formação de bulbos, sendo esta a primeira florada. Uma flor de composição elegante, de pátalas e sépalas mais rijas do que costumamos ver na maioria das Cattleyas.






[i] Disponível em: <http://www.orquideasbrasil.com.br/423311/Cattleya-bicolor>: Acesso em mai. de 2013.

quinta-feira, 19 de março de 2015

221 - Orquídea: LC. Saint Andre

Com bastante capricho, eu apresento a todas as pessoas que de alguma forma prestigiam este Blog, a LC. Saint Andre, um híbrido muito belo, de fácil cultivo e de florações abundantes.
“Planta de porte médio. Muito vigorosa e compacta. Flores grandes sempre florindo em várias frentes. Cruzamento entre Cattleya dowiana áurea X Brassavola nodosa[i]”.
As fotos abaixo mostram a sua primeira floração: apenas uma bela flor que não se acanhou ao mostrar a beleza do seu atrativo labelo. 
Desde a época em que a adquiri até esta primeira floração, custou cerca de 1 ano, mas isso representou pouco, se levarmos em consideração uma Vanda manuvadee, que possuo a mais de 5 anos e ainda não vi as suas flores.
 
Quando a flor começa a murchar, ainda assim se mantém apresentável!

[i] Disponível em: http://www.orquideasecia.com.br/hibridos/bc-saint-andre-2.html Acesso em mar. 2014.

sexta-feira, 13 de março de 2015

Phalaenopsis pintalgado - flores 2014

Em 2014 minha Phalaenopsis pintalgado floriu em 7 belíssimas flores e assim consegui fazer um bom resumo dessas flores nas fotos abaixo. Já faz alguns anos (a exemplo de 2013) que posto sobre esta Phalaenopsis, mas a meu ver, foi em 2014 que obtive as fotos mais impressionantes, de suas flores.
Confira abaixo!
 
 
O capricho deste labelo é divino!
Parte do labelo visto de perfil.

sexta-feira, 6 de março de 2015

107 - Orquídea: Blc. Crowfield Mendenhall



Quando adquiri este híbrido, em 2012, ele era muito pequeno porém, a sua adaptação e seu desenvolvimento se deram de forma rápida. Cerca de dois anos após a aquisição já estava uma orquídea de porte considerável e pronta para florir.

As primeiras flores vieram por volta de meados de outubro de 2014 e totalizaram 3, perdurando as mesmas até fins de dezembro. As flores tem cores e formas singulares e o perfume é manso e agradável, logo, se destacam bastante por causa do tom esverdeado que compete às pétalas e sépalas e o detalhe róseo do labelo, além das demais cores que o embelezam; além disso, a maneira como as flores se dispõem, de forma aprumada, tornam ainda mais fascinantes.